quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Ecrã

Seres mentecáptos
energúmenos
insanos
sois
Avaros
insensatos
frios amantes de si

Glória feita de fumaça
é a tua carapaça
teus caminhos
trapaças
raça
que passa
que pisa arrastas
sonhos que amassas
tu e teus cruéis comparsas

Peças da máquina maldade
tua cidade apavora
chora e implora
impiedade
iniquidade
evapora agora
Sábios esperam a hora
da sensatez iluminar tua idade

uma peça
 tua chave
Ao longe antepassados
aguardam o teu sacrifício
têm sede
 de sangue
esvaindo
em morte
e gulosos assistem a espera
de que tu voltes, para morrer
outra vez, outra vez, outra vez


Postar um comentário