quinta-feira, 21 de março de 2013

Carretel

Imagem: Velha Fiando por Ronaldo de Campos Fernandes

Saudade,
velha sorumbática
corcunda
enrugada
a fiar na velha roca
Dedos ossudos ainda destros
porém lentos
carcomidos do tempo
da janela na alta torre fita o relógio
em constante oscilação
e sobressalta-se a cada blem

O coração já não acompanha o relógio
vai a seu próprio passo
em descompasso
A roca, o relógio, suas memórias
giram com a terra num universo
centrífugo

Quem fita da luz não a vê
está misturada na soturna escuridão
nos tons terra amarelecidos
na penumbra da cor de ontem

O véu da catarata não oculta-lhe a luz
Ela vê da janela as cores dos dias extintos

Saudade,
desde o ventre saudade do antes,
um constante fitar do ontem
memórias marcadas no batímetro
de um tempo permanente

A velha vislumbra lembranças,
onde o tempo é sempre presente
fita de dentro da escuridão
um ontem há muito ausente
A mãe ralha porque ralou o joelho
A fita vermelha
O gatinho Félix enterrado no quintal
Ruboriza-lhe a lembrança do beijo
Extasia ainda a imagem de amor

A linha foge de sua mão
emaranhando o fio às possibilidades
do que poderia ter sido
aquele fio de meada

A velha puxa os nacos de algodão
girando a velha roca
a roda roda para frente
continuamente
tece um carretel
para a fazenda do vestidinho da menina
uma menina que ainda gira no ventre
dormente

O ranger insidioso da roca
acompanha o buraco negro
de dentro de seu peito
engolindo para a escuridão permanente
o brilho nebular
das saudades de uma estrela anã








6 comentários:

Dete disse...

Oi Fabiana,
Very nice poem! Também sou brasileira e moro nos EUA. Vim acompanhando meu marido que veio trabalhar e acabei ficando. Isso há 27 anos. Espero que você se adapte nesta terra cheia de idiossincrasias  Abraços,

Fabiana Ávila disse...

Oi Dete,
Muito Obrigada! Fico feliz que gostou do poema, sofri com ele engasgado na garganta a semana toda, eu trabalho full time, quase não há tempo para escrever é uma agonia para encontrar um tempinho ... Eu amo os USA, mas como sofro de saudades de minha familia. Um super abraço!

Jaqueline Cristina disse...

Fabiana, hoje a blogosfera está inspirando lembranças e expirando saudades.
Que analogia interessante a que você fez.
Muito gostoso e interessante de ler!
Bjoks

Fabiana Ávila disse...

Oi Jaqueline Cristina, muito obrigada, estou lisonjeada com seu comentário! Visitei seu blog, amei! Parabéns... Bjs

Anônimo disse...

Fabiana! Belo poema! Fico feliz que minha velha "Velha a Fiar" tenha se prestado com desenho ilustrativo. Saudações blogueiras. Ronaldo de Campos Fernandes.

Fabiana Ávila disse...

Olá Ronaldo de Campos Fernandes, encontrei sua imagem por acaso, no google, estava procurando uma imagem que ilustrasse o poema,sua ilustração foi simplesmente perfeita! Fiquei apaixonada pelo seu trabalho, muito inspirador!Parabéns!