quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Noiva


A noiva se deita num leito de águas claras
unguentos, perfumes e especiarias
vapores turvam o brilho dos abajures
e intensificam o prisma dos cristais finos
pontiagudos,
A noiva cerra seus olhos e sonha acordada
uma perna nua banhada de espuma
os seios tenros semi-imersos
Vislumbra com ansiedade o vestido
branco, longo, as pedrarias
que cintilam, corpo que antecipa delicias
A noiva se lava devagar,
besuntando de esperança
a esponja da sua mocidade
desliza a mãozinha delicada
desde a ponta das unhas,
sobe o braço esguio e lava a nuca,
os ombros, uma cascata de espuma
descendo de seu colo,
Covinhas a mostra,
Estrelas nos olhos
A noiva perfuma a água de sua essência
deixa nela seus últimos ardores de moça
a água se move em círculos, descreve
arabescos quando ela se levanta etérea
desenhando na superfície imagens enigmáticas
ao som da torneira reluzente que
vagarozamente pinga
A toalha felpuda, branca, lhe afaga
os quadris macios
Enxuga as lágrimas da água que chora
a perda de sua virgem
bruxuleante a chama da meia luz
reluz nas concavidades,
desenhando o corpo esguio
de sombras que lhe afagam as curvas suaves
Ela se fita no espelho, vê a noiva
como se visse outrem
aplica perfume nas pontinhas das orelhas,
no pulso,
prende as madeixas com fino pente,
donde pequeno diamante quebra
em cores a luz serena
aplica um blush rosado e brilho
cintilante aos lábios encarnados
desliza a meia fina, vagarosa
destramente subindo a pousar
a fina renda branca ao dourado
das suas coxas
Veste uma calcinha branca de renda
que tímida mal lhe cobre
os poucos fios castanhos
Os seios pousam em redes de rendas
enrijecidos ao toque da fina fazenda
maream seus olhos ao vislumbrar-se agora
trazendo nos braços o vestido alvo
inclina-se como em reverencia
com a pontinha dos pés entrando
na composição de organzas,
rendas, cristais e pérolas
O ziper desliza, enquanto lhe envolve
o vestido delineando-lhe sílfide
ata os laços, amarra suas fitas
enfeita a orelha e o colo
com pérolas de água fresca
não pode conter uma lágrima quando
sorrindo ergue seus braços
e se coroa com a grinalda
o véu lhe afagando
arrepiando ao toque os ombros nus
Está pronta!
Com pulso firme empurra certa
a porta e despenca no abismo
Certa de que voa

Postar um comentário